António de Sousa Dias. ©Paula Azguime

Compositor, artista multimédia, performer e investigador, António de Sousa Dias é doutorado em Musicologia, diplomado com o Curso Superior de Composição e professor Associado na Faculdade de Belas Artes (Universidade de Lisboa).

A par de obras musicais para diferentes formações e explorando diversos géneros (instrumental, electroacústico, misto), música para filme, documentário, animação, artes digitais, teatro musical e cruzamentos disciplinares, o seu trabalho de investigação no sector da criação musical e ambientes virtuais, dirigido para o desenvolvimento de instrumentos de assistência à concepção e construção de espaços musicais navegáveis, conduzem-no actualmente aos domínios do multimédia e da instalação. Participou com o grupo Les Phonogénistes, nos projectos Vertiges de l’espace (2008-2010) e Vertiges de l’image (2009-2013), co-autor de Natureza Morta | Stilleben de Susana de Sousa Dias (MNAC, Lisboa, 2010) e é o autor de obras como “...há dois ou...” (CAM/FCG, 1998), “Ce désert est faux” (CCB, 2012), Monthey'04 (LIMSI, França, 2008, Arc-et-Senan, França, 2012), da série Tonnetz (MNAC, Lisboa, 2011), de A Dama e o Unicórnio (poema de Maria Teresa Horta, TMSL/ Temps d’Images/ Dom Quixote, 2013; Pagine d’Arte, 2017), Mutabilis (TDI16, 2016; MV17, 2017).